CIRURGIA REFRATIVA - LASIK (Laser Assisted In-Situ Keratomileusis)

A cirurgia refrativa a laser LASIK é o método de correção de erros refrativos mais avançado, nomeadamente no tratamento da miopia, hipermetropia e astigmatismo. Esta técnica cirúrgica é um procedimento indolor, rápido, eficaz e que se realiza com grande segurança. O principal objetivo do LASIK é eliminar ou reduzir a dependência de lentes corretivas. Esta técnica não permite corrigir a presbiopia ou “vista cansada”, uma condição natural que está diretamente associada ao envelhecimento e que se baseia na diminuição da capacidade para focar em objetos próximos. O LASIK é o método de correção indicado para quem sofre de miopia, hipermetropia e/ou astigmatismo, detém mais de 18 anos e possuí córneas saudáveis. Para realizar esta cirurgia, não deve ter tido um aumento significativo de graduação nos últimos 12 meses nem ter alguns problemas médicos (especificar quais), que podem impedir esta operação. A cirurgia consiste em remover camadas microscópicas do tecido da córnea, um equipamento chamado Excimer Laser muda o formato desta componente do olho, permitindo que os raios de luz foquem com maior exatidão sobre a retina. Para que se possa submeter a esta técnica, deve conseguir informações detalhadas sobre o seu defeito refrativo, marcando uma consulta pessoal e falando com o seu médico. Se o seu defeito refrativo estiver na faixa de correção do LASIK, alguns exames serão realizados. Em caso contrário, o médico poderá recomendar outro procedimento refrativo para poder resolver o seu problema.

Antes da cirurgia:

O cirurgião avaliará se o paciente reúne todas as condições para efetuar a cirurgia, tendo em atenção vários aspetos que podem condicionar os resultados desta cirurgia, tais como pupilas muito dilatadas, o olho estar seco ou lesões oculares prévias.

Procedimento:

 O paciente deita-se numa cadeira reclinada, colocada num bloco de cirurgia ambulatória. O olho a operar é anestesiado com gotas e depois coloca-se um pequeno instrumento cirúrgico (blefaróstato) para manter as pálpebras abertas durante a cirurgia. Um anel de sucção é então colocado sobre a córnea para a fixar e evitar movimentos dos olhos. Neste momento, o paciente pode sentir a pressão do blefarostato e a visão pode ficar mais baça. De seguida, o microqueratótomo – um instrumento de microcirurgia automatizado – é unido ao anel de sucção. Enquanto a lâmina do microqueratótomo desliza sobre a córnea o paciente ouvirá um som metálico e vê mal. Quando o microqueratótomo parar de trabalhar, estará criado um folheto de tecido que é rebatido para trás, ficando aderente numa das extremidades. (Fig. 1) Depois, é ativado o laser na espessura da córnea. Nesta altura, o paciente tem de fixar uma luz vermelha, enquanto a visão se encontra baça e ouve um som que corresponde ao laser a fazer a ablação. (Fig. 2) Por fim, o cirurgião coloca no sítio o folheto que estava rebatido para trás e este fixa-se na sua posição sem necessitar de pontos (Fig. 3).

Fig.1

Fig.2

Fig.3

Após a cirurgia:

O paciente andará com o olho tapado com um penso durante um dia e poderá retomar a sua atividade no dia seguinte. A visão será recuperada nos dias ou semanas seguintes à cirurgia podendo, em alguns casos, levar alguns meses a atingir a clareza de visão que o paciente tinha, quando usava óculos ou lentes de contacto.

Tal como qualquer outra cirurgia, o LASIK tem riscos e poderá ter complicações que, apesar de muito raros, devem ser cuidadosamente consideradas.

Em alguns casos pode ocorrer sub-correcções ou hiper-correcções. Felizmente, estas podem ser corrigidas com óculos, lentes de contacto ou com uma nova cirurgia. Existe ainda uma pequena possibilidade da visão após a cirurgia não ser tão boa como a que tinha quando usava óculos ou lentes de contacto.

Algumas pessoas experimentam temporariamente desconforto, visão baça, lacrimejo, olho seco, deslumbramento, halos à volta das luzes, sensibilidade à luz e visão flutuante. Estes sintomas em regra desaparecem num mês. Em alguns casos persistem mais tempo, podendo não desaparecer completamente.

CONTACTOS

COIMBRA

Espaço Médico de Coimbra
Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
3030-163 Coimbra, Portugal

Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
Fax: +351 239 481 487

E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

AVEIRO

Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
3800 – 167 – Aveiro

Tlf.: +351 234 382 847

Tlm.: +351 918 644 767

E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt

FORMULÁRIO

    Insira o código: captcha

    FORMULÁRIO

      Insira o código: captcha

      COIMBRA

      Espaço Médico de Coimbra
      Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
      3030-163 Coimbra, Portugal

      Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
      Fax: +351 239 481 487

      E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

      AVEIRO

      Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
      Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
      3800 – 167 – Aveiro

      Tlf.: +351 234 382 847
      Tlm.: +351 918 644 767

      E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt

      FORMULÁRIO

        Insira o código: captcha

        COIMBRA

        Espaço Médico de Coimbra
        Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
        3030-163 Coimbra, Portugal

        Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
        Fax: +351 239 481 487

        E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

        AVEIRO

        Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
        Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
        3800 – 167 – Aveiro

        Tlf.: +351 234 382 847
        Tlm.: +351 918 644 767

        E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt