PÚBLICO E PACIENTES

O Glaucoma

Doença

O que é o Glaucoma?

O glaucoma consiste numa doença degenerativa que afecta o nervo ótico e que pode provocar diminuição progressiva e indolor da visão.

Caracteriza-se numa fase inicial, pela perda de visão periférica. À medida que a doença avança a perda de visão vai progredindo, atingindo desta forma a perda de visão central numa fase terminal.

O glaucoma é uma das principais causas da cegueira em Portugal, sobretudo entre as pessoas mais idosas.  É uma doença do nervo ótico que surge com o aumento da pressão intraocular – pressão interna do olho. Esse nervo ótico é responsável por levar até ao cérebro as imagens que vemos e quanto maior for a pressão dentro do olho, maior é a possibilidade de lesionar o nervo ótico.

                O nervo ótico é semelhante a um cabo elétrico contendo uma quantidade enorme de fios e o glaucoma, ao danificar as fibras dos nervos, faz com que se desenvolvam pontos cegos. Muitas das vezes as pessoas reparam nestas áreas cegas depois do nervo ótico já ter sofrido danos e, caso todo o nervo tenha sido destruído, ocorre a cegueira.

                A perda de visão provocada pelo glaucoma é evitável desde que se procure tratamento ainda no início da doença. A deteção rápida e o tratamento do glaucoma pelo oftalmologista são medidas fundamentais de prevenção de lesões do nervo ótico e cegueira causadas pelo glaucoma.

Causas do glaucoma

Um líquido transparente, chamado humor aquoso, entra e sai do olho. Este líquido não faz parte das lágrimas na superfície externa do olho.

 

Imagine-se o fluxo do fluido aquoso como um lavatório com uma torneira aberta todo o tempo. Se o local de drenagem fica entupido, a água junta-se no lavatório e a pressão aumenta. Se a área de drenagem do olho, chamada de ângulo de drenagem, ficar obstruída, a pressão fluida dentro do olho pode aumentar, deste modo, lesionando o nervo óptico.

O humor aquoso flui constantemente dentro do olho (à esquerda). Se o ângulo de drenagem do olho ficar bloqueado, o fluido não consegue fluir para fora do olho (à direita).

Tipos de Glaucoma

Existem dois tipos de glaucoma: o glaucoma crónico de ângulo aberto e o glaucoma de ângulo fechado.

O glaucoma crónico de ângulo aberto trata-se da forma mais comum de glaucoma e ocorre com o processo de envelhecimento. O local de drenagem ou ângulo de drenagem do olho torna-se menos eficiente com o passar do tempo e a pressão dentro do olho aumenta de forma gradual. Se este aumento de pressão resultar em lesão do nervo ótico, é conhecido como glaucoma crónico de ângulo aberto e mais de 90% dos pacientes adultos portadores de glaucoma sofrem deste tipo.

No glaucoma de ângulo fechado a pressão do olho aumenta rapidamente e o ângulo de drenagem do olho pode ficar completamente obstruído. Os sintomas incluem visão baça, dor ocular intensa, dor de cabeça, auréolas de arco-íris ao redor de luzes e/ou náuseas e vómitos.

Caso apresente qualquer destes sintomas deve procurar imediatamente ajuda do seu oftalmologista pois, caso contrário, o glaucoma de ângulo fechado pode resultar em perda de visão (cegueira) de forma irreversível.

Deteção do glaucoma

Esta perda de visão é irreversível, sendo importante realizar um diagnóstico precoce. A partir dos 40 anos de idade, devem ser realizadas consultas de oftalmologia anuais para despiste de Glaucoma.

 

O diagnóstico é realizado pelo médico oftalmologista. É realizada a avaliação da pressão intra-ocular e a observação do fundo ocular. São também realizados exames complementares de diagnóstico para especial observação do nervo ótico, nomeadamente, o OCT e PEC (campos visuais)

 

                A melhor forma de detetar o glaucoma é a de realizar exames regulares aos olhos com o seu oftalmologista.

                Durante um exame completo e indolor, o seu oftalmologista:
                               – mede a sua pressão intra-ocular (tonometria)
                               – inspeciona o ângulo de drenagem do seu olho (gonioscopia)
                               – avalia qualquer lesão ao nervo ótico (oftalmoscopia)
                               – testa o campo visual de cada olho (perimetria)

 

                Alguns destes exames talvez não sejam necessários para todos os indivíduos. Poderá ser preciso repetir estes testes regularmente para determinar se a lesão do glaucoma está a aumentar com o passar do tempo.

Grupos de risco de desenvolvimento de glaucoma

Alguns dos fatores de risco no desenvolvimento do Glaucoma são: antecedentes familiares da patologia, idade, miopia e pressão intra-ocular elevada. Doentes de raça negra estão mais predispostos ao desenvolver esta patologia.

 

                Os principais fatores para avaliar o risco de desenvolver a doença são:
                – idade;
                – miopia
                – origem africana;
                – histórico familiar de glaucoma;
                – lesões oculares prévias;
                – história de anemia aguda ou choque.

 

                Caso tenha algum destes fatores acima descritos, significa que o risco de desenvolver o glaucoma é maior que o normal e deve submeter-se a exames regulares com o intuito de detetar os primeiros sinais de lesão do nervo ótico.

                O seu oftalmologista deverá reunir várias informações a fim de avaliar o seu risco de desenvolver a doença e ter em consideração todos os fatores a decidir se precisa de tratamento para o glaucoma ou de vigilância constante devido a suspeitas de glaucoma.

Prevenir a perda de visão

A perda de visão pode ser prevenida através da realização de exames oftalmológicos regulares.

                Deve realizar exames da seguinte maneira:
                               – A cada 3-5 anos se tiver até 39 anos;
                               – A cada 1-2 anos se:
                               – tiver 39 anos ou mais
                               – se algum membro da família for portador de glaucoma
                               – se for de origem africana
                               – se já sofreu de alguma lesão ocular grave
                               – se estiver a tomar medicamentos
                               – se estiver a tomar esteroides.

CONTACTOS

COIMBRA

Espaço Médico de Coimbra
Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
3030-163 Coimbra, Portugal

Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
Fax: +351 239 481 487

E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

AVEIRO

Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
3800 – 167 – Aveiro

Tlf.: +351 234 382 847

Tlm.: +351 918 644 767

E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt

FORMULÁRIO

    Insira o código: captcha

    FORMULÁRIO

      Insira o código: captcha

      COIMBRA

      Espaço Médico de Coimbra
      Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
      3030-163 Coimbra, Portugal

      Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
      Fax: +351 239 481 487

      E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

      AVEIRO

      Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
      Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
      3800 – 167 – Aveiro

      Tlf.: +351 234 382 847
      Tlm.: +351 918 644 767

      E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt

      FORMULÁRIO

        Insira o código: captcha

        COIMBRA

        Espaço Médico de Coimbra
        Rua Câmara Pestana, n.º 35-37
        3030-163 Coimbra, Portugal

        Tel.: +351 239 484 348 /Tlm: +351 966 320 022
        Fax: +351 239 481 487

        E-mail: emc@oftalmologia.co.pt

        AVEIRO

        Rufino Silva – Clínica Oftalmológica
        Av. Lourenço Peixinho, Nº 177-179, 2º andar
        3800 – 167 – Aveiro

        Tlf.: +351 234 382 847
        Tlm.: +351 918 644 767

        E-mail: aveiro@oftalmologia.co.pt